terça-feira, 11 de agosto de 2015

O circo veio e alegrou a cidade. Trouxe essa alegria que as pessoas nem acreditavam mais serem capazes de sentir.
Mas chegou o dia de ir embora. A trupe juntou as malas e partiu.
E deixou na cidade a lembraça do quanto é bom sentir tal alegria e a esperança de que um dia ele volte.
Há amores que são como ipês: lindos e efêmeros.


segunda-feira, 10 de agosto de 2015

tempo devagar

Darei um tempo de mim
para respeitar o tempo seu
Ir devagarinho, assim,
como quem não sabe aonde quer chegar

O que me impulsiona é a vontade
Mas treino o desapego
o equilíbrio
e a pausa dos impulsos

Eu te dou o tempo que quer
enquanto souber esperar
enquanto puder esperar
enquanto não enlouquecer

Da vontade que carrego
Dispenso a dor que vem
Mas sacudo a desesperança
Para voltar a acreditar em nós