quinta-feira, 16 de julho de 2015

circo

eu quero ir embora com o circo.
quero a incerteza da estrada
do movimento
de não saber o que esperar do amanhã;
quero o frio na barriga de subir ao palco
diante de nova plateia
a cada dia
a cada noite
quero o sorriso da bailarina
quero os olhos vidrados das crianças
quero os segredos tristes do palhaço 
quero o medo do globo da morte

eu quero ir embora com o circo.
quero me casar com a alegria
e levar às menores cidades 
a leveza do malabarista.
quero não saber sobre o futuro
quero pisar no presente e sentir:
quero sentir o circo.


Beatriz

eu não sou mais atriz
a minha vida anda por um triz
como se eu tivesse escrito tudo em giz,
e alguém viesse apagar
alguém com medo de me amar
como se por ser assim, em mim não pudesse confiar

mas eu não sou mais atriz
já não me chamo beatriz
já não importa o que eu fiz
agora estou disposta a acertar
de agora em diante eu não vou mais errar
eu quero, eu preciso ... recomeçar


(escutando Chico)