quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

poesia em forma de carta...

Hoje eu recebi um presente lindo... lindo! Desses que fazem a gente sentir a lágrima balançar e quase cair... até cair realmente e molhar o próprio presente.
Um presente que me fez sentir um mexidão de sentimentos. Entre eles, a sensação de estar no caminho certo, de ter escolhido muito bem aonde pisar e em que investir.
 


Eu vivo disso: de poesia! Não vendo a minha poesia porque ela é ar. Ela não é o que eu escrevo, mas o que eu respiro, o que eu vejo, o que eu leio nos olhos daqueles que me olham nos olhos... 

A minha poesia é esse presente que eu recebi. É esse retorno que me faz entender que todo meu esforço, toda a minha teimosia, toda a minha dedicação VALEM A PENA.

Esse presente especial, que é pura poesia em forma de carta, vem de uma menina linda, de 15 anos de vida mas muitos mais de sabedoria e sensibilidade. De uma poeta nata, de uma aluna que é professora, de uma garota tímida que conquistará o mundo com suas palavras...

Eu recebi uma carta. Uma linda e longa carta. Uma linda e longa carta que fez diferença no meu dia, na minha jornada, na minha biografia. Que foi como um banho frio depois de um dia quente demais. Como um mergulho no mar depois de um ano difícil. Como um diploma depois de muito haver estudado. Como um presente...

Essa carta continha elogios, sim, e quem não adora receber elogios? Mas, mais que isso, continha todo o carinho e o cuidado de quem me olhou e me viu, de quem me leu e entendeu, ou pelo menos buscou fazê-lo, mergulhando nas minhas palavras e se dedicando a decifrar minhas dores, conquistas e poesias. E, mais que isso, continha suas próprias confissões, seus próprios desejos e medos, sua própria poesia.

Uma carta escrita por alguém que buscou identificar-se comigo, mas que, na verdade, é gigante em sua experiência de vida, mesmo que tenha vivido a metade do que eu vivi.

Uma poesia em forma de carta, que me fez querer escrever mais, prestar ainda mais atenção à arte ao meu redor, ouvir o canto do rouxinol e dedicar-me a ser cada dia melhor: porque ela me vê.