terça-feira, 27 de agosto de 2013

naturalmente

As andorinhas anunciam a mudança de estação, e eu, na paz de quem quer ficar em casa, interpreto cada fenômeno.
Eu sou a espera.

As alegrias de salão pedem poda, confirmando a necessidade de mudança que cada ser traz consigo para essa existência.
Eu sou a coragem.


As cadelas ladram a chegada do cio e recebem os machos que não tardam a chegar.
Eu sou o desejo.

As formigas traçam seu caminho, árduo caminho, entre o limoeiro e o formigueiro. Carregam pedacinhos perfumados de folhas.
Eu sou o trabalho.

A grama perde seu verde e sua vitalidade, mostrando-se um tapete triste de um marrom sujo.
Eu sou a sede.

A chuva não cai, mas os pássaros voam. A tristeza pinga, mas a vontade perdura.
Eu sou a natureza.





quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Classificados

Sou fazedora de sonhos.
Vendo.
Mas prá você é de graça.
Produção diária.
E noturna.



Sou distribuidora de sorrisos.
Entrego em domicílio.
O frete é grátis.
Aceito pagamento em mesma moeda.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

pássaro, asas e vontade

eu hoje, pássaro, asas e vontade
no desabrochar do dia perdi minhas listas de sonhos,
meus pregos, parafusos e terra firme.
com sorte movi com os ventos
e pousei nos sonhos de alguém.
mas despertei com olhos em chamas,
lágrimas que desmanchavam a face
e dores de quem nunca desistiu -
mas sentiu o correr do tempo
e a aspereza da distância com o passado.

eu hoje, pássaro, asas e vontade
percorro sozinha, na solidão de meus próprios batimentos,
a imprecisão do caminho de quem vai rumo ao futuro.
não temo mas não meto os pés pelas mãos.
são outros tempos, novos ventos, e um mundo inteiro a mudar.

eu hoje, pássaro, asas e vontade
durmo para não chorar,
mas acordo entre sonhos e meta sonhos para acreditar.

eu amanhã, asas e saudade.