domingo, 30 de outubro de 2011

Acorde-me cedo com beijos, suco de laranja e vontade de ficar.
Pois já basta de tanta saudade, já basta de tanto tempo longe. Hoje quero passar o dia vendo seus olhos. Quero ver-me refletida neste verde seu.
E no mais, se precisar de mais, se isso já não for alimento suficiente para todo o dia, dê-me aquele beijo longo e doce, que me faz sentir que as pernas não me pertencem mais...


domingo, 23 de outubro de 2011

Como se fosse hoje, recobro o sentimento que me acometeu naquele exato momento em que eu, vestida de malas e expectativas, te vi aproximar de mim todo de branco, com um sorriso leve, um olhar curioso e todos os seus sonhos também à frente. Foi naquele momento que pela minha cabeça (hoje eu sei que na verdade atravessava minha alma) passava a seguinte sensação: "nunca mais a minha vida será a mesma". E depois de ser acolhida como uma deusa, recebida com flores e néctar de frutas vermelhas, o som do seu violão e o leve toque das suas mãos pelo meu corpo, percebi que eu começava uma nova vida. Aquela primeira sensação não fora em vão. Não fora, em absoluto, sem sentido. A partir daquele dia e até hoje realmente a minha vida nunca mais voltou a ser a mesma.
Hoje, vendo minha barriga crescer em harmonia com nossos sonhos conjuntos, percebo que, novamente, tenho na alma aquela velha e gostosa sensação de que "nunca mais as nossas vidas serão as mesmas". No plural agora. E, quando penso nessas duas grandes mudanças que me aconteceram, nas voltas que o meu mundo deu, fico procurando a palavra certa (já que gosto tanto de palavras) para descrever o que sinto. E como estou prestes a desistir de tal vocábulo, faço uma última tentativa: Qual o oposto de arrependimento, amor?

Neste caso, sei lá, acho que é gratidão.
Obrigada por entrar na minha vida. E obrigada pelo Pedro também.

sábado, 22 de outubro de 2011

nova entrada.

não é que eu não busque mais a saída, uma saída, para as questões que me apertavam o coração. o que passa hoje é que encontrei uma nova entrada, e isso me faz entender sobre a espera, sobre a paciência e sobre esse tal destino.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

gestação

crescendo em meu ventre
entrelaçando-se a minha alma
fazendo de mim sua casa
regalando leveza divina
iluminando meu rosto em sorriso
lançando centelha de vida

como um musguinho na pedra
dentro de mim o meu Pedro




Ouvindo "Volver a los 17":
"El arco de las alianzas ha penetrado en mi nido

Con todo su colorido se ha paseado por mis venas
Y hasta la dura cadena con que nos ata el destino
Es como un diamante fino que alumbra mi alma serena."