sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

estações

Existe a estação em que o sol vibra com tamanha força que a madrugada se vê obrigada a chorar de amor. Ela chora em uma tempestade tamanha que ninguém acredita que o sol brilhará no dia seguinte. E ele volta, e brilha, e se mostra maior que qualquer dor.

Existe a estação em que as folhas caem, uma a uma, forrando a grama de tons marrons, vermelhos e amarelos um pouco desbotados. E cobre a vida da gente de uma nostalgia bonita, tom de saudade, sabor de sempre-vou-querer-mais.

Existe a estação das meias nos pés, cobertor de orelha e um bom chocolate quente para proteção. Um frio na barriga, na espinha e um arrepio em toda a pele. É a estação do abraço, das mãos dadas, do cafuné ao lado da lareira.

Exite a estação das flores, belas e vivas, cor de rosa choque ou laranja. E é a estação da beleza, do nascimento, da saudação à vida natural. E a gente acorda com a revoada das maritacas, descobre ninho de andorinha em cima do telhado e planeja um futuro com a garra de uma leoa.

Mas também existe a estação do silêncio, que pode chegar em qualquer momento do ano, que não começa em dia 21 e nem tem hora para acabar. E é nessa estação que eu entro agora. Em silêncio, o que não quer dizer solidão, viverei minhas horas e dias enquanto for necessário. E serei feliz como agora sou. E sentirei as minhas saudades e dores como agora sinto. Mas não as escreverei aqui. Àqueles que realmente se importam com o que eu chamo de poesia, aviso: há e haverá sempre poesia na minha vida. E os convido para um chá e um bom papo, onde os contarei por onde anda minha inspiração. Àqueles que se importam menos, desejo paz. E que o meu silêncio os ajude a silenciar também.

Eu entro nessa estação para me cuidar.

Obrigada. E até quando a estação mudar...

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

cotidiano

Acordar cedo com beijinhos
ver a neblima cubrir as montanhas
sentir o cheiro do carinho
acreditar em mais um dia

lavar a louça como quem lava a alma
cuidar da casa cantarolando
ler com a brisa no rosto
cozinhar e comer brincando

há quem diga,
há quem escreva,
que isso não é poesia
é só coisa do dia-a-dia

mas tem coisa mais linda, meu Deus
que viver cada momento
que sentir cada segundo
como um verso de um poema?

domingo, 10 de janeiro de 2010

2010!

"Este é o ano de brilhar"

E se falou minha irmã-lua, por que eu iria contestar?

Prá começar, um ano realmente novo.
Trabalho novo, casa nova, o mesmo amor que é sempre novo.
Vida cheia de surpresas, ganhos e perdas, e muita vontade de continuar.
Um carrossel, hoje em dia, se compararmos às montanhas russas que já foram plano de fundo de tantos anos atrás.
Uma saudade tatuada, um amor cotidiano, uma alegria pelas pequenas e grandes coisas que me acontecem.
A sorte de estar no lugar certo na hora certa. O "oops-esqueci em casa" que nos faz perder algum tempo mas não o sorriso na cara. Os momentos de mau humor porque puxa vida!, eu sou de carne e osso, né!?
E por essas e outras e mais tantas o ano vai começando no seu caminhar (ou correr). E em fevereiro não tem só carnaval. Tem mais um monte de novidades que no Brasil só podem mesmo começar em fevereiro, porque tem carnaval!
Eu espero, ansiosa e feliz, por mais um ano de aprendizado, mas também por um ano de brilhar. Né?

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

viajar

Sempre preferi passaporte à carteira de identidade.
Visto à carteira de motorista.
Frio na barriga à minha tão planejada agenda.
Hoje, numa noite mal dormida mas bem curtida, releio meu primeiro ano de blog, revisitando a Espanha através dele. E depois leio o blog da Ana, cheio de histórias sobre ser uma forasteira na Irlanda. E agora, pouco antes de eu decidir que é melhor sair e tentar dormir, recebo um email da Pri contando suas primeiras impressões da Austrália. É isso. Eu amo viajar. Seja pra onde for, seja de avião, carro ou pensamento, eu amo viajar! E só de ouvir alguém falar sobre o novo, sobre as descobertas, sobre sua visão da arte, cultura e jeito do povo do lugar, eu me sinto viajando novamente. Eu me sinto estrangeira junto com a pessoa. E me sinto com asas abertas, pronta para mais um vôo.
Na verdade, só de conviver com meu bem já me sinto em outro lugar. Aqueles olhos verdes, aquele sotaque gostoso... Ao voltar ao Brasil em sua companhia foi como se eu tivesse trazendo um pouco da Espanha comigo. O melhor da Espanha, eu diria!
E passar uma lua de mel em João Pessoa já é uma viagem internacional pra gente. Ver a carinha dele no mercado central de lá, ou comendo tapioca na lanchonete... Isso também é viajar!
Eu gosto tanto deste sentimento do novo que tenho fascínio por aprender outros idiomas, outras formas de me comunicar com quem é de fora. E ser de fora pra mim me dá uma sensação de coragem! Recebo com tapete vermelho quem vem nos visitar. Respeito e admiro quem decide ir para outro lugar. Acredito num mundo melhor, o mundo do futuro, em que não haverá limites entre países ("Imagine there's no countries") e as pessoas poderão viver onde queiram, onde se sintam bem.
Embora agora eu tenha ninho, não vou parar de voar. A diferença é que agora eu não vôo sozinha. E agora sei bem pra onde voltar!

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

pra começar 2010 ...

No te Rindas
Mario Benedetti

No te rindas, aún estás a tiempo
De alcanzar y comenzar de nuevo,
Aceptar tus sombras,
Enterrar tus miedos,
Liberar el lastre,
Retomar el vuelo.

No te rindas que la vida es eso,
Continuar el viaje,
Perseguir tus sueños,
Destrabar el tiempo,
Correr los escombros,
Y destapar el cielo.

No te rindas, por favor no cedas,
Aunque el frío queme,
Aunque el miedo muerda,
Aunque el sol se esconda,
Y se calle el viento,
Aún hay fuego en tu alma
Aún hay vida en tus sueños.

Porque la vida es tuya y tuyo también el deseo
Porque lo has querido y porque te quiero
Porque existe el vino y el amor, es cierto.
Porque no hay heridas que no cure el tiempo.

Abrir las puertas,
Quitar los cerrojos,
Abandonar las murallas que te protegieron,
Vivir la vida y aceptar el reto,
Recuperar la risa,
Ensayar un canto,
Bajar la guardia y extender las manos
Desplegar las alas
E intentar de nuevo,
Celebrar la vida y retomar los cielos.

No te rindas, por favor no cedas,
Aunque el frío queme,
Aunque el miedo muerda,
Aunque el sol se ponga y se calle el viento,
Aún hay fuego en tu alma,
Aún hay vida en tus sueños
Porque cada día es un comienzo nuevo,
Porque esta es la hora y el mejor momento.
Porque no estás solo, porque yo te quiero.

(texto enviado por minha amiga Pilar, de quem eu sinto muita saudade - te echo mucho de menos, amiga!)