quarta-feira, 30 de setembro de 2009

os livros.

eu o lançarei da janela caso sua página não me conte a história que quero ouvir.
e ai dele se não tiver o fim tão esperado, tão desejado, tão sonhado (por mim).
pois quem o escreveu não sabia das minhas expectativas? ai dele. ai de mim.
e eu fumarei cada folha caso não haja incêndio de paixões em suas letras.
eu sou a aposta. ele, o prêmio.
e quero que suas folhas recebam números ímpares. a vida não é simétrica, irmão.
vale ler, aprender a recitar, e usar cada segundo de seu convívio para imaginar o que as palavras não disseram.
sou a rainha do castelo, a dona do dragão que solta fogo para explodir o mau.
eu quero o prólogo. quero o autógrafo. quero a nota do autor.
e se me faço de rogada é para não ficar em silêncio quando o assombro me devora o estômago.
por que você escreveu assim?
por que o matou antes de mim?
e fico na estória como se ela fosse minha.
eu, sempre a boazinha da estação.
e no momento em que ele separa um parágrafo do outro, eu respiro.
é inspiração e expiração completos. mais longos que um ponto e vírgula.
agora descansa.
fecho o livro e apago a luz.
agora o que vier é sonho...

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

lágrima

Ela vem
com gosto de soro, vem
no canto do olho, vem
pedindo socorro, vem
lembrando o passado, vem
sentindo dorzinha, vem
num choro calado, vem
sem hora marcada, vem.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

11 de setembro

e foi no momento em que colocou o braço ao redor dos meus ombros, neste exato momento, que eu percebi que a história ia começar. foi quando ele, de forma tão natural mas ao mesmo tempo tão cheio de segundas intenções, encostou sua pele na minha. eu já queria, sim. desde o dia em que conversamos sobre poesia e ele me mostrou o quarto laranja. eu já desejava sim, desde o instante em que eu percebi as marcas tão masculinas do seu rosto quando ele sorri. eu já sonhava também. imaginando a união de quem quer ver poesia no mundo com aquele que escreve e vive de tal forma. eu sou caçadora de poesias. ele, o poema mais lindo do mundo. eu sou a mulher que ele faz feliz, diariamente.

um ano de papel passado. muito mais tempo de amor. pra frente e pra trás no tempo.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

cantares.

sim, canta!
e não espera amanhecer não.
ore comigo, mãos dadas.
faz bem saber o que se quer.
agradeça pelo dia,
pela hora,
pelo alimento do corpo e da alma.
oração e poesia são um só.
feito você e eu.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

é no balde de tinta
que eu derramo a saudade
e no copo de vodka
que eu misturo a vontade
foi no caminho de casa
que esqueci minha chave
e no retorno ao início
que perdi a idade
foi em aventura lá fora
que encontrei a metade
e inteira e feliz
revirei vaidade
e nas loucuras de amor
acordei sanidade

domingo, 6 de setembro de 2009

A gente se estica todo pra tentar alcançar a lua. É que ela tá cheia feito o coração.