segunda-feira, 31 de agosto de 2009

cartinha

Querida Laurinha,



lembra que há uns dois anos você estava super tristinha com a seperação dos seus pais? E lembra que eu te comprei um livrinho infantil que tinha uma mensagem bem madura sobre a importância do nosso olhar em relação às coisas?
Pois é... estava pensando nisso hoje.
Fico pensando que naquela época eu quis te ensinar uma coisa que eu, na verdade, estou constantemente tendo que aprender. E o mérito, confesso, é do Sr.Tempo, que de sua maneira sutil e lenta nos ajuda a ter uma compreensão.
Já fazem 9 meses que a minha irmã se foi. A dor não passa, sabe!? Mas existe agora uma sensação diferente. Não sinto revolta mais. Nem raiva do destino, ou sensação de falta de sorte, ou de que a vida é dura demais comigo. Não. A vida é linda sim. Tão linda que me permitiu viver e conviver anos com uma pessoa tão bela quanto a Paty. Que até na hora de ir embora nos deixou mensagens e ensinamentos. Sou uma pessoa de muita sorte. E hoje posso sentir isso junto com a saudade que tenho dela. E compreendo melhor que não se trata de perda - é o universo inteiro que ganha essa energia maravilhosa que ela tem pra passar. Hoje, ela faz parte do todo, do universo, de Deus. E eu de cá fico feliz por saber que tive a alegria de ter sua presença durante tantos anos.
Engraçado, né!? Tudo depende de como a gente vê.

("O frio pode ser quente
o feio pode ser bonito")

Um beijo, amiguinha.
Dri




sexta-feira, 28 de agosto de 2009

brincar de roda.


é só girar
sem largar a mão
e não parar
nem dizer que não

é só brincar
feito menino
e rodopiar
como bailarino

um dia assim
sem muito pensar
a roda vem
te fazer girar
como quem nada quer
você vai entrar
e sem saber porquê
vai continuar
a brincadeira é
para quem entende
liberdade em roda
que você aprende
nessa dada hora
nesse dia então
você vai sorrir
com o coração

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Foi do amarelo, sim, do amerelinho, que a espiritualidade brotou em mim. E sem saber muito disso, ou de nada, pintei com vontade as formas e cores do mundo (que eu vejo).

Foi em dia de chuva que brotou a flor. E a saudade só existe para quem amou. E do medo vem a coragem: para enfrentar os obstáculos, face the music, encarar os fatos. Quem cai aprende a levantar. Quem não chora não mama, nem limpa a alma. Pois sofrer é o caminho do aprendizado, pelo menos um deles. E valorizar o dia é vencer nova etapa com louvor. Existe perigo, dor e sofrimento sim. Mas nosso poder de reconstrução é grande, e a vitória nada mais é do que a luta diária por merecer novos e bons momentos. Seguir adiante não é esquecer o passado. É acreditar no futuro. É olhando o outro que me conheço melhor. E na busca por poesia eu a crio, dentro ou fora de mim. Com abraços e sorrisos me protejo do que não quero. O caminho é longo. A estrada, por vezes deserta. Mas a vontade de seguir é que faz tocar a música de fundo.
"Viver não é preciso". É delicioso.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Primavera

As quaresmeras floriram
num lilás tão vivo
de invejar qualquer alegria-de-salão.
e a cada flor que brota
é um bem-te-vi que avisa
que a primavera já vem.
entre flores e vôos
o dia se faz em magia
e o ar novo enche os corações.
é a despedida do frio
e o bem-chegar da estação
em que renova-se a natureza
em canto, sombra e cores
para a vida nova que virá.


depende de como a gente vê...

Se eu ligasse pra minha mãe dizendo: 'Mãe! O rei morreu! '
Certamente ela responderia:
_ Roberto Carlos?

Se eu fizesse o mesmo telefonema para o meu pai, dizendo "o rei morreu", ele perguntaria:
_ O Pelé?

Já o Antonio, sem sombra de dúvidas, diria:
_ Juan Carlos???

Se eu comentasse com a Rosa a morte do "rei", ela diria:
_ Uai! O Elvis? Mas confirmaram?

No entanto, o telefonema foi para a amiga Guria. Disseram a ela:
_ O rei morreu.
E sem pensar muito, mas ainda assim surpresa, ela respondeu:
_ O Michael Jackson???

É. Depende de quem ouve.

terça-feira, 25 de agosto de 2009

O meu pecado
é não saber
que a culpa minha
é ter medo de errar
pois o grande erro
é deixar de tentar.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

O meu poema
é a minha busca
O que escrevo
é o que procuro
De poesia e ar
encho-me até onde posso
Invento-me e desfaço
o que foi antes inventado
para criar em mim
o possível.
No meu caminho,
planto.
Insatisfeita, escrevo.
Corpo, alma, espírito.
Em criação e dúvida,
em medo e vontade,
como um ser humano qualquer.

domingo, 23 de agosto de 2009

antropo + sophia

Não me diga que não sabia, ou que não pensou nisso antes. É a vida sim o que nos assusta. É a intensidade, a verdade nela, todas as possibilidades e também o nosso medo. Melhor seria não enfrentarmos todas as perguntas que nos fazemos, vivendo na santa harmonia da ignorância. Mas o que fazer se nossos impulsos anímicos nos levam também a questionamentos maiores? Afinal somos filhos de lobos mas temos um deus e um norte. Entre tantos caminhos e incertezas, vale mais tentar ver a luz através de óculos escuros - precauções são necessárias - que fingir não reconhecer a nossa existência aqui. Eu vim a passeio, também, para procurar em bosques borboletas amarelas e pássaros azuis. Mas de nada adiantaria tanta beleza se meus olhos não fossem capazes de buscar a paz dentro. E para isso, sabem eles, é preciso buscar as respostas.

poeminha

Meu coração está sorrindo
com pontualidade assim:
desde cedo ao acordar,
até a hora de dormir.