segunda-feira, 20 de abril de 2009

eu me criei na areia
no mato e no pé da fogueira
em noite de Sao Joao,
eu fiz cambalhota na grama
catei amora no pé,
vi a chuva chegar
vindo do lado de lá
e me pegar no alto da mangueira,
vi galinha virar capelletti
e ouvi serenata pras meninas
enquanto eu fingia que era pra mim,
cantei no chuveiro e na sala
até ser acompanhada
por um violao de um amigo,
pensei que seria famosa
viajaria mundo afora
soltando palavras no ar,
rezei por medo de ladrao
de escuro e bicho-papao,
tomei banho com velas acesas
e música de fundo pra ninguém me ouvir chorar,
roubei orapronobis do vizinho
apaixonei por um cachorrinho
e nunca pude levá-lo pra casa,
andei descalça na rua
lavei o carro do pai pra refrescar
bebi vinho demais na festa
e deixei de lado as sandálias e a tristeza,
balancei as cadeiras em cima da mesa
feito bailarina de cabaret
mas nao perdi a linha,
fiz dança de salao
kung fu e até teatro
fui gueisha e colombina
no meu carnaval,
e de tantas e tantas
e essas e outras
é que hoje me lembro sorrindo
de que nunca estive sozinha
e que nunca vou estar.

domingo, 19 de abril de 2009

tem saudade. bastante saudade.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

late o cao. bate o vento. toca o sino. faz silencio. vira a esquina. perde o tempo. conta os dias. pega o trem. vive o dia. sacode o tapete. reune os amigos. assiste o filme. come a fruta. morde o lábio. brinca e ri. olha o relógio. faz a cama. arruma o quarto. vê o tio. pergunta as horas. espera o ônibus. bate o pé. tira o tênis. quebra a unha. compra batata. acorda tarde. esquece a reuniao. caminha na areia. entende a pergunta. responde sorrindo. e vai e fica. e volta e lê. e o dia nasce. e o tempo passa. e a gente fica. e a gente fala. e o mundo sabe. e o verbo solta.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

na vida.

eu entrei.
ele disse que eu poderia.
eu entrei.
ele disse que queria.
eu entrei.
ele pediu pra eu ficar.
eu entrei.
ele gostou, me disse.
eu entrei.
e fico.
fico enquanto ele quiser.
enquanto ele disser.
enquanto eu viver.

adaptaçao

os curiangos voltaram. o asfalto também serve para descanso.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

água.

Da fonte.
Aonde o sol reflete. Aonde o verde é vida. Aonde a água é alimento. Aonde tudo se renova. Aonde a cor é transparente. Aonde os olhos sao espelhos. Aonde é corrente.
Da fonte.
Feito tudo que move. Feito tudo que vai. Feito o que sou e vou ser. Feito eu e você.
Da fonte.
Pois aqui é só o início.