quinta-feira, 31 de julho de 2008

ainda bem

Ainda bem
Que você vive comigo
Porque senão como seria esta vida?
Sei lá, sei lá
Nos dias frios em que nós estamos juntos
Nos abraçamos sob o nosso conforto de amar, de amar
Se há dores tudo fica mais fácil
Seu rosto silencia e faz parar
As flores que me manda são fato do nosso cuidado e entrega
Meus beijos sem os seus não dariam
Os dias chegariam sem paixão
Meu corpo sem o seu uma parte seria o acaso e não sorte
Entre tantos anos
Entre tantos outros
Que sorte a nossa, hein?
Entre tantas paixões
Esse encontro
Nós dois, esse amor.
Composição: Liminha/Vanessa da Mata
Volto sim, em tempo de primavera dentro de mim.
Em tempo em que cantar uma música assim (assim como aí em cima) é forma de agradecer à vida, à ele, ao mundo.
A força que ele traz no peito, o abraço que me dá sossego, a vontade de recomeçar e lutar feito leoa, e todas as coisas que aprendo diariamente com ele.
Com um ou os dois pés no chão, ele é equilíbrio.
Eu, com a cabeça nas nuvens. Nuvens? Não! O céu anda tão azul...
Um brinde à vida, à chegada de quem nunca deixou de estar dentro de mim, um brinde ao amor. Ainda bem.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

intervalo.

a poesia tá pedindo tempo em mim.
(comprei um caderno)

segunda-feira, 7 de julho de 2008

depósito.

Guardarei o cheiro da chuva, da noite em que ele me abraçou, para eu conseguir dormir.
Colocarei em caixinhas bem guardadas a ida ao porto, os picnics no parque, os beijinhos roubados em plena avenida.
Farei coleção das risadas com 'as meninas', do bom tempo eterno de estar entre amigas.
E farei um belo álbum com as fotos tiradas com os olhos, impressas em boa resolução poética.
No depósito há um lugar todo especial para família - que não é quem está perto, é quem está dentro, quem nos faz bem. Essa família que traz sorrisos e aconchego, que nos recebe com olhos de carinho e compreensão: a essa família há um lugar todo enfeitado, uma sala com ar leve e flores naturais.
Ah... há um espaço em que ele, rodeado pelas andorinhas de mim, aquece todo o resto do meu corpo.
É... acho que nem faz falta dizer, pois já ficou bem claro, que esse depósito se chama coração.


sábado, 5 de julho de 2008

expectativas.

não estou caindo.
é manhã.
a espera é para o alcance.
a expectativa é real -
você vale a pena.
a gente vale a pena.
há paz.
é leve.

I'm not falling
it's morning.
waiting is for achieving
the expectation is real -
you're worth it.
we're worth it.
there's peace.
it is light.

(releitura de "boa sorte/good luck" - Ben Harper e Vanessa da Mata)

continuar.

"My feet is my only carriage
And so I've got to push on through"
bob marley

quinta-feira, 3 de julho de 2008

quero-quero.

Não sei a cor do quero-quero.
Sei que quero.
Sei que quero.
Que canto é o dele?
Sei que quero.
Sei que quero.
O vôo bem alto, o pouso aqui dentro.
Quero. Quero. Quero.
Um dia a mais, menos um dia:
Vem que eu quero.
Vem que eu quero.

Ouvindo quero-quero, Djavan

quarta-feira, 2 de julho de 2008

na espera.

Em dias assim, meu bem, qualquer música me faz dançar.
Em dias assim, vem cá!, dança comigo também.