quarta-feira, 31 de maio de 2006

Pierrot Sentado.

O Pierrot sentado.

Abandonado. Deixado pela Colombina ingrata que não soube devolver tanto carinho.

Mas é culpa dela?

O Arlequim passou, ela se colocou feliz ao lado dele. E foi viver de paixão.

Sei lá.

Vendo o Pierrot assim, até da raiva da ingrata.

Por outro lado, vendo a pequena feliz daquele jeito, dançando por salões de festas, a gente até entende que de vida mesmo só dá pra viver os momentos.

Ela acabou por mudar o percurso de uma história que não deveria mesmo ter roteiro. (afinal, destino é aquilo que se constrói quando toca o pé no chão. Seja aonde for.)

Dá pra julgar? Não. Dá esperar que o Pierrot encontre o caminho dele. E o principal, que ele levante.

Pierrot Sentado : Pablo Ruiz Picasso 1918 / Museu de Arte Moderna - Nova Iorque.

terça-feira, 30 de maio de 2006

Michigan, domingo - 03 de julho de 2005

Caetano Veloso ao fundo, um pouco de sono ainda e a sensação de "sossego".

"para que meus inimigos
tenham mãos
e não me toquem"

E a gente descobre que tudo o que quer e tudo o que precisa é ter o pensamento livre, o coração cheio de amor e a mente aberta.

Mas a gente também descobre que nem todo mundo é assim...
E prá isso, e por isso, a gente treina a paciência...

Puc, aula de sociologia das comunicações - 11 de setembro de 2004

Com o professor falando sobre a metrópole e a vida mental... (Georg Simmel, I guess...)

Então, é assim que fica combinado. Cuidar de mim mesma (cabeça, valores, coração e corpo) e depois cuidar do mundo (solidariedade). Paixão será um guia pra me fazer sonhar. Mas planos não. Nem mudança de valores. A entrega é necessária. Mas a doação deve ser recíproca. (...)
Cabeça-dura? Não. Autenticidade.
Vamos rir e depois tirar a lição.
Legal? Fica assim então. (...)
Serei melhor.

Nova Lima, 30 de maio de 2006
Meu poeta-Zico não lê mais meu blog.
O pai da pequena Roberta não lê mais meu blog.
O Bruxo das Águas não lê mais meu blog.
O Rapha Aleixo não lê meu blog.
O Pedrinho e a Amanda nunca leram meu blog.
Meu pai lê meu blog?
A Claudinha e a Cris ainda entram no meu blog?
O meu velho amor nunca leu. Nem pode. Eu não deixaria.
Renatinha, Ju, Pri, Paty irmã? Cês lêem?
Ei, Manu! Cê lê, num lê?
Ana Lua, daí você lê?
T., cê lê sempre? Lê? Acha patético? Bege? (muito daqui é por você. muito de mim também)
Nalaura? Pedro irmão da Lua? Zezé-mãe-da-Rê? Hein? Amiga Lô?
Alguém lê?

segunda-feira, 29 de maio de 2006

rapsódia.

"composição literária ou musical, formada por trechos de diferentes obras"

Sei lá.
Cê tá me ajudando a compor. Música? Não, poesia.
Escrevendo roteiro. Cinema? Não, literatura.
E aproveitar o hoje. Noite? É. Mas dia também.
No mais, um carinho enorme e crescente.

No caça-palavras que eu vivo, seu quebra-cabeças tem me deixado fascinada.
É como eu te disse, desse jeito a gente acaba escrevendo uma história incrível. (Ou patética, se você ainda achar que essa palavra combina mais, como o pirulito azul.)
Eu?
Cê sabe já.
Estou apaixonada.
(ah... e por sinal essa é a palavra que ficou por ser escrita - mas quer saber? acho que já tá na minha testa, num é?)

E de tanto a gente ser diferente assim, acabamos em rapsódia mesmo.

Tenha um bom dia.

domingo, 28 de maio de 2006

Ele é de maio. Palavra? MÚSICA.

"When you were here before,
Couldn't look you in the eye
You're just like an angel,
Your skin makes me cry
You float like a feather
In a beautiful world
I wish I was special
You're so very special"


"Eu só aceito a condição de ter você só pra mim.
Eu sei, não é assim, mas deixa eu fingir... e rir."


"When its central, so essential,
It has a nice ring when you laugh"


"We've come together to gather star
Shooting up stones a pallored heart"


"I'm waiting for that final moment
You'll say the words that I can't say"

sexta-feira, 26 de maio de 2006

ô, pai...

Se de repente os meus sonhos mudaram, e também assim fizeram as minhas vontades, entenda, eu preciso de movimento.

Se de repente do meu riso se fez uma lágrima, e se de uma carta inteira eu só deixei duas linhas, entenda, eu preciso de intensidade. Eu sou rio. Eu corro. Vou pro mar.

Se de repente eu for embora, não me leve a mal, não me queira mal, entenda, eu preciso ser pássaro.

quarta-feira, 24 de maio de 2006

Que eu possa hoje falar dessa religião: amizade.
- quem me ensinou foi a Soturna Lua. Minha irmã por profecia -

Irmã de verdade também pode ser amiga de verdade. Além de ótima companheira pra compras...
21:00 - Um encontro de 4 das 7.
Um papo sério pra começar: espiritismo, energia, reflexão.
As confissões: os medos, as vontades, e aquilo que vem entre o primeiro e o segundo.
As risadas: tem loira pra falar 'glicerina' se referindo a diabetes... uma pequena com mais de 1.50, ainda bem... e tem até filha de alemão! "sério?"
- Todas lindas. Mulheres. E fortes. - Se descobrindo. Usando essa religião que faz tão bem. Usando o amor, a riqueza da troca, o calor do abraço e alegria das risadas.
Depois de pizza, nuggets, biscoito de queijo e coca-cola, um sono muito bom.
Pra acordar às sete da manhã com uma mensagem engraçada de alguém que descobre o "inferno" de se estudar de madrugada. E depois, ainda sentir um vento frio bater no rosto relembrando Floripa.
Ah! O dia tem que ser bom! Tem que ser bom!

Telefono pra me despedir da minha irmã (errante?) que vai viajar (viajar?).
E por coração lhe envio energia e sol.

O dia vai ser bom! ...

segunda-feira, 22 de maio de 2006

de maio.

"Que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que anseio.
Que a morte de tudo em que acredito não me tape os ouvidos e a boca.
Porque metade de mim é o que eu grito, a outra metade é silêncio."

hoje estou nostalgia.
hoje estou o e-mail que recebi e o telefonema que eu fiz.
hoje estou o presente que vou dar.

eu, libriana, estou saudade do que esteve no meu passado.
e lembrança do que foi bom.
estou a vontade de ter vivido o que deixei passar.
e recordação daquilo que eu soube viver.
estou, mais que nunca hoje, pensamento e silêncio.
embora aqui.
estou o sorriso que abri com o telefonema e a lágrima com as palavras do e-mail.

mas também estou a ligação que eu perdi.
e o domingo que vem.
o beijo que eu sonhei ter ganhado.
a noite que eu queria passar e que ainda vou.
porque hoje também estou sonho.
e fé.
mas plano não.
hoje estou apenas relembrando o que foi e imaginando o que vem.

porque hoje não estou hoje.

sábado, 20 de maio de 2006

Meanwhile

Faz-se noite.
Sunset.
Mas em alguma outra parte do mundo, o canto dos pássaros celebra o sol que nasce.
Sim. Há sempre pássaros cantando o recomeço.
E se numa parte se faz noite, é para que o astro sol possa se tornar presente em algum outro canto do planeta. Um canto em cada canto.
E isso é a mágica. Um mantra de pássaros se formando, tendo o sol como regente. Uma sinfonia pela transição do escuro para a luz.
O dia trazendo música. A noite mudando de lugar.
E por aí vai. Todo dia, quando aqui é dia. Toda noite, quando aqui é noite.
Porque o sol está nascendo em algum outro ponto. E isso é mágico...


"I'm old enough to face the dawn".

sexta-feira, 19 de maio de 2006

hoje estou vestida de saudade.
é uma cor tipo rosa-antigo.

quinta-feira, 18 de maio de 2006

só falta o "vai"

Afinal acordei movimento.
Eu já fiquei parada tempo demais.

Afinal acordei poesia.
Eu já fiquei parada demais.

Afinal acordei impulso.
Eu já fiquei tempo demais.

Afinal acordei transição.
Eu já fiquei demais.

Afinal acordei eco.
Eu já fiquei. Eu já fiquei.

Afinal acordei audácia.
Eu!

Afinal acordei ebulição.
demais.

Agora só falta o fogo pra acender a chama.
Já tenho lenha.

quarta-feira, 17 de maio de 2006

eu sou alma-por-ser-dada.
me dou. me dôo. e às vezes dói.
e depois vem um "boa noite" e muda tudo. [sorriso]

terça-feira, 16 de maio de 2006

currículo.

Sou RP formada.
Puc Minas, prédio 13, fui aluna do Albino, Rita Louback e por aí vai.
Claro, já tomei cerveja no Tanganica, já joguei sinuca na pracinha e nadei no clube ali do lado.
Matei aula sábado pra ver o Raça Porra jogar, e assisti a bons shows no Teatro de Arena.
Escrevi muitos textos institucionais, elaborei check-lists, dormi na aula de economia e fiz trabalho sobre o dadaísmo.
Como não poderia deixar de ser, apresentei trabalho sobre a Embraer, li muitos textos sobre a Ambev ou Alpargatas e li Philip Kotler. Preocupei-me com responsabilidade social durante todo o curso, e sobre isso fiz o meu projeto de graduação.
Por diversas vezes já tive que explicar o que faz um RP. E ainda não sei se as pessoas compreendem bem.

Hoje, alguns meses depois de formada, ainda me param pra perguntar:
- E aí? Você trabalha na área?

Agora estou pronta para responder.

Trabalho na minha área.
Sou comunicadora desde o meu primeiro sorriso. (sim, você também).
Sou RP desde o momento que comecei a me preocupar em identificar o público com quem estou me comunicando.
E sou professora.
Uma coisa complementa a outra, já não tenho a menor dúvida.
Tenho que, diariamente, elaborar diagnósticos e apresentar projetos novos na sala de aula.
Meus alunos são um público bem exigente.
Não posso ter o mesmo discurso para crianças de 7 anos ou adultos de 40.
Tenho que saber qual estratégia usar, qual o melhor apelo para a mensagem e quais veículos me trarão melhor resultado.
Eu quero motivá-los sim. Mas não apenas com uma balinha no final da aula ou uma nota boa no boletim. Preciso de sorriso e de vontade de estar ali.
Comunicação e arte.
E, para dar aula, é preciso gostar/viver/respirar arte.
Tenho calos nas mãos - de apontar lápis de cor.
E até uma fenda nas cordas vocais - de cantar.
Não é raro me ver com manchas de tintas. Ou mesmo com dor no punho por causa do meu fantoche (Bob).
É preciso subir na cadeira, gritar bem alto ou sussurrar.
E é preciso amar isso tudo.

Gosto de poesia. Uso meu tempo livre pra isso.



E, numa boa, como RP eu sou uma professora bem feliz!


"se não puder amar, não ensine."

domingo, 14 de maio de 2006

Eclipse!

Do dia que foi melhor que promessa ou expectativa...
de alguém (aqui) que acordou diferente, porque, viver assim, de poesia, faz isso com a gente...

Do mamão à pizza...
da neblina que só fez suspense ao sol que nasceria...
e da lua que veio provar que destino é esse que aparece aonde a gente pisa ... (é claro, numa hora daquelas, já nem era estrada de terra. Era no céu que a gente caminhava).

"A felicidade mora aqui". Num é?

E...

O mundo é um orkut bom.
E amor é física quântica.

sexta-feira, 12 de maio de 2006

Menininha.

Chegou em casa devagarinho. Deu um "oi" baixinho pra mãe e subiu.
Sentou no cantinho do quarto. Abraçou os joelhos, encostou a testa neles e começou a chorar. Fez aquele biquinho de menina e chorou sem fazer barulho algum.
Depois, ligou pro menininho. Disse da saudade e voltou a chorar quietinha.

Sexta? feira.

Na cesta:

- 5 cebolas pequenas
- 6 cenouras vermelhas
- couve-flor
- 2 kg de batata
- 200 g de vagem
- meia dúzia de ovos
- 200 g de quiabo (lá em casa só Élcio e Dri que comem...)
- 2 tomates
- requeijão
- um abacaxi
- 5 maçãs
- 1 mamão

e o que mais aquela menina inventar de colocar na cesta. Na sexta?


Na sexta:

- "Bom dia, Ju! Tenho que correr. Sei lá se tem trânsito na frente do BH Shopping. Brigadinha, amiga. Adorei."
- "Good morning, everyone! How are you???"
- "Oi, Rafael! Hoje vou fazer feira pra minha mãe".
- "Mãe!!! Foi tudo bem? Seu olho tá mais claro, e mais brilhante!" ... "Cê acha que eu faço mestrado em literatura ou linguística?"
- Suco de uva.
- Blog da Renatinha.
- Blog da Soturna Lua.
- "Cris vai comigo ao médico? Que bom..." (e cá pensando: ela é linda!)
- Saudade bate. Do T.
- www.adriosol.blogspot.com
...........

deixa acontecer agora - ainda são 11:15. A sexta tá só começando................................................

quarta-feira, 10 de maio de 2006

se eu tivesse orkut...

quem sou eu:
menina andorinha com complexo de Peter Pan e uma dor de estômago que avisa quando tem alguma por ser dita. aliás (ou além do mais) sou uma alma-por-ser-dada.
etnia:
bem brasileira...
idade:
22
interesses no orkut:
nenhum além de tentar conhecer melhor as pessoas. Conclusão: dá errado.
relacionamento:
emotionally unavailable. hahaha...
filhos:
quero ter. mas não agora. agora de jeito nenhum.
idiomas que falo:
português, inglês, língua do Cebolinha, baianês intermediário, baleianês básico, língua do P.
religião:
eu rezo pro sol. acredito em anjos e fadas. admiro o budismo, mas não sei muito do assunto.
amizade.
visão política:
sou míope. tenho a péssima mania de acreditar que as coisas vão melhorar. até na política. já votei no PT sim. acho que anulo votos pra presidente na próxima eleição. sei lá...
estilo:
o que for confortável pro pé e colorido pro corpo!
humor:
extrovertido/extravagante, simpático (mas fecho os olhos e dou um sorriso esticado com brincadeirinhas preconceituosas ou que me desagradam por algum outro motivo), pateta/palhaça, e posso ser irônica. é. feliz demais ou deprimida até. sempre muito tudo.
fumo:
não. cigarro me faz mal. sou alérgica e tenho uma fenda nas cordas vocais.
bebo:
cerveja,
tequila,
sucos,
2 litros e meio de água por dia.
animais de estimação:
ai, acho que queria ter um canário. mas tenho dó de colocar um na gaiola.
gosto muito de bicho-gente.
cidade natal:
nova lima. e cidade dos sonhos: Barcelona!
interesses:
literatura
educação
comunicação social
letra de música
paixões:
estar apaixonada. (borboletas na barriga)
meus alunos.
dançar.
esportes:
kung fu e dança.
atividades:
trabalhar, trabalhar, divertir, escrever. e tudo ao mesmo tempo.
livros:
poesia.
biografia.
um caderno em branco.
música:
que faz dançar.
cinema:
bom também.
cozinhas:
panqueca de carne moída da mãe.
strogonoff do T.
nhoque da vó.
massa de abobrinha da Ju.
e o pudim de leite condensado ou doce de figo de sobremesa!!!

diagnóstico.

Fome de vida provoca insônia?
E paixão falta de apetite?
Eu sei que não dá pra viver só de sol........
Andorinha no fio.
- da vida -
E dá pra entender o que faz o corpo não acompanhar a melodia da alma?
Porque essa dor? Hein!?
O que faz ele doer assim? (Ei, doutor, não vem me dizer que é emocional, tá!?)



Ele ama?
Não sei.
Mas é companheiro. Abraço na hora certa. Risadas e mais risadas.
Doses de halls pra levantar a pressão.
Saudade quando não tá perto.
Alegria quando é meu presente.
Taquicardia quando é post no blog.
E o melhor parceiro de dança pra qualquer tipo de música. Até quando pisa no pé ou diz que não sabe dançar.
É amigo quando escuta aquelas coisas todas que eu preciso falar.
E um chatão que me chama de hippie...
Um fotógrafo que nem sabe que escreve poesia. E o faz bem.
Entende?
Se ele ama eu não sei.
Mas quem vive de paixão assim, tal como eu, sabe que sentir isso vale a tentativa e o risco.



Eu?
Hoje amo.

segunda-feira, 8 de maio de 2006

eu preciso de doses homeopáticas de halls...

fim de semana.

Tá bom.

Um fim de semana feliz, salvo a dor de estômago, claro.

Samba tem que ser pra ficar em pé.
Amigas, pra dar muitos abraços.
Molho de tomate pronto que nada!
Los Hermanos tem que se ver de perto. (Ou no colo)
Saia amarrotada num pode.
E melhor amigo a gente acha até sem saber que ele tá lá.
Cara Estranho é aquele por quem a gente se apaixona. Ou nome de música.
Eu estou apaixonada por você. ("e até quem me vê, lendo jornal na fila do pão, sabe que eu te encontrei")
Depois do almoço - violão. E barba não esconde toda a doçura...
Experiência de vida? Ou a outra. (tabu. censurado no blog)
Ai ... se eu tivesse um gravador de pensamentos!
Fantástico Mundo de Bob ou South Park?
- Joga um copo nela! (pra ver se ela se toca que tá tampando o Marcelo Camelo!)
'Dri! Dri! Dri!' - eu sempre vou voltar quando te ouvir me chamando assim.
Eu consigo falar aquele palavrão sim! (mas nem escreveria com acento... monossílaba terminada em "u" não é acentuada)


Ô, cara lindo, eu tento até disfarçar, não dar tanta bandeira assim... Mas cê me faz tão bem...

... Eu rezo antes de comer. E dirigindo sozinha no carro. Ou canto. E já deu certo um pedido da fitinha de Nosso Senhor do Bonfim. Eu sou crítica também. É foda. Mas tento relaxar e pensar que "ser diferente é normal". E ser igual, arg, também é.

Num sou hippie nem tão zen quanto gostaria. Mas é claro que eu te acho lindo com esse jeito todo ... cê sabe. Eu teria orgulho também e até tatuaria. hahaha...

Eu faço careta demais na televisão! Valei-me Deus!

Mas de verdade... ainda preciso sentar e falar desse domingo. Sério.

quinta-feira, 4 de maio de 2006

"e aquela vontade de dar as mãos
e o prazer de olhar para as águas
deitar numa rede
sonhar seus mundos
se perder nas horas e andar sem rumo"
Nublada. E preciso chover. Pra ver se passa. E pra ver se volta a fazer sol aqui dentro. Eu preciso Salvador. Preciso de colo. Coragem. Forró. Preciso até de um chá quentinho. E uma coberta anti-alérgica. E um sono sem pesadelo. E sem aquela menina nele. E sem qualquer outro tempero. A não ser que seja dendê. Preciso até de Jorge Amado. E me sentir amada. E até lá, música boa ao menos.

quarta-feira, 3 de maio de 2006

fada e flor.

Do título vem.
Cê já bem sabe...
Eu acredito em fada.

Do título vem.
Cê bem me conhece...
Eu planto sementes e deixo germinar a flor.










Desenho de Nando Meira. (Made in Salvador)

terça-feira, 2 de maio de 2006

Salve Salvador.


É. É linda a Bahia.

Terra de gente "feliz pra porra".
Lugar em que nos sentimos bem-vindos de verdade.

Farol da Barra. Pelourinho. Jauá. Praia do Forte.
Não dá pra não se sentir em paz.
Não dá pra não sentir vontade de dançar.
Até lambada! Vixi...

Axé lá não é só ritmo musical. É uma espécie de sentimento, ou de pedido, de agradecimento, estado de espírito...

Fazer amigos baianos é fácil! Lá só tem gente do bem! :) Tem um que vira dois, né Johnson? Tem um que vira siri... E tem amiga nova que mais parece amiga de infância, num é Larinha?

Mas a Bahia é isso.
É uma mistura de acarajé com cheiro de felicidade.
De feijão de corda e alegria.
De fitinhas de Nosso Senhor do Bonfim com oração.

No mais, dá é saudade falar de Salvador.

Vontade de ajoelhar e pedir pra estar ali, de novo, sentindo aquele calor gostoso e o som de Iemanjá.

De lá a gente volta com vontade de acalmar o mundo. Porque ele é bom, sabe!?

Pra lá fomos Três Patetas. Passamos por Três Espiãs Demais e voltamos Meninas Superpoderosas.
Porque é Bahia. É Salvador.


"e não me chame não, viu?
não me chame não que eu vou!".



Srta. Rodrigues, Bíbian Perón, Bicho Maanga