sexta-feira, 24 de fevereiro de 2006

Eu vou.



Uma vez minha mãe me disse que me criava pro mundo.

Eu acreditei.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2006

tempo

tempo
intenso
penso
esqueço?
gosto
ainda
completa?
sozinha
pierrô
confete - é carnaval
parada
choro
verbo.
choro
substantivo.
eu
sujeito.
você
objeto direto.
ponto

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2006

pedido

Se eu gritar bem alto, se eu pedir nas faixas de Diamantina, se eu implorar todos os dias no MSN, se eu rezar pra Santo Expedito, se eu fizer simpatia, se eu ajoelhar em frente da web cam, se eu mandar mensagem no seu telefone, se eu te dizer que tá no seu horóscopo do dia, se eu fizer trilha de bicicleta gritando atrás de você (aprendendo a andar de bicicleta pra começar), se eu inventar um rap ou funk com seu nome, se eu mandar recado pelo Lê e pela Paty, se eu encher seu saco todos os dias......

JOTAAAAAAAAAA!!! VOCÊ ESCREVE NO MEU BLOG????????????????????????

hehehe...

terça-feira, 21 de fevereiro de 2006

Dois barcos...

"sobre estar só... eu sei"

Pois quando um barco ancora, e outro sai sem rumo...
De repente sol. De repente Lavras. Estrada. Sorriso. "que alegria, gente"
De repente muda. Eu não gosto de bacalhau.
Pois quando um barco tenta, e outro sem resgate...
De repente carnaval. De repente Diamantina. De repente Maresias. E a lembrança. As lembranças. Paúba?
De repente dói.
De repente chora.
Pois quando um barco tenta, e o outro não sabe sua direção.
De repente sozinha. De repente solidão. Mesmo quando cercada de gente. Mesmo quando... tá, mas...
Pois quando um barco tenta e segue seu rumo, sem precisão, mas com propósito e significado...
De repente sorriso. De repente uma boa amiga. De repente um mundo visto com olhos de ver tudo feliz.
De repente um sentido.
Pois quando o barco vai. Não sabe se deve. Não sabe voltar. Mas quer. Mas tenta evitar, porque sabe do que vem afinal.
De repente a dúvida. Estaca a zero.
De repente melhor dormir. E parar de pensar tanto.

Pois quando existe alma demais pra dar, e o outro barco nem sabe aonde vai...
De repente melhor dormir.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2006

in the mood...

as vezes a vida parece muito chata.
Daí a gente tenta colocar humor. Uma gotinha de humor aqui e záz! Tudo parece melhorar...(melhorando...)
Mas só tenho uma certeza.
Uma só.
De que mesmo?
Ah! Dane-se!
Eu quero sentir cheiro de alecrim.
Eu quero beijo de novela. - Mas eu detesto novela. -
Eu quero voar. EU QUERO VOAR!!!

"In every job that must be done...
There's an element of fun.
You find the fun and ... SNAP!
The job is a game".

Ok. Hora de semear flores.
O nosso humor a gente muda.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2006

bora

melhorparardebeberhojeaindaéquintafeiramúsicaboamasmuitagentechataeu
nãodouconta.oqueeutofazendoaqui?senaoéacervejageladaeavontadedasirmãslindasobrigada,bytheway,
euiaemboracorrendoantesmesmodoshowcomeçar.CarnavalemDiamantina?Quemdiria.Vocêquesópensaemsebenzer.Emquererrezarprobemetentarfugirda
multidão.Talvezaliasolidãopasse.Ounão.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2006

porque hoje

De repente era melhor mesmo eu nem escrever. Shhhhhhhhhh!
E aprender mais sobre o silêncio... que faz tão bem.
E já que sou pedra, quero lapidar-me. Posso transformar em poesia?
Mas hoje, hoje... hoje eu não posso deixar de escrever (mesmo quando o silêncio acalma).
É aquela harmonia que vem do me encontrar. Eu quero...
Mas hoje... hoje... Logo hoje?
Depois de um dia agitado. Uma manhã longa... uma tarde que só acabou quando já parecia tão tarde da noite.

E ainda nem são 10 horas.
Vamos falar de mim?
Não. Não. Vamos tentar nos calar um pouco.
Uma rede pra embalar o sono, um bom livro pra respirar a alma, e a esperança de que o amanhã vem.
É verdade, Zico... quando fazemos uma escolha, nada tem a ver com sermos escolhidos também.
Mas deixa pra lá. Tô confortando minha alma pra ser plena de amor pra dar. E só.
Eu precisava gritar. Porque hoje...

terça-feira, 14 de fevereiro de 2006

na aula

Primeiro dia de aula. Turma de "real beginners".

_What's your name?

_ Eu tenho muitos nomes. Um deles eu uso como uma máscara antropológica, disfarçando o meu eu instintivo, ou o lobo do homem. Outro, me foi dado sem que eu pudesse escolher. Ninguém perguntou: "ei, bebê, que tal José Carlos?". Mas é exatamente esse que uso para coisas burocráticas. Ainda tenho outro, chinês, que escolhi por influência taoísta, de 5000 anos antes do surgimento do cristianismo. Mas taí. Se você quiser me chamar de outro nome........

_ Ok, Mike! So, students. What day is today?

(e vai dizer que eu penso demais???)

sábado, 11 de fevereiro de 2006

ismo

Tem pedra no fundo do poço da cachoeira.
Melhor voltar pra superfície.
Sangue escorre pela testa?
Ok. Depois cicatriza.
E aí vira aprendizado.
Frustração?
Dor de cotovelo?
Ou um ego triste e insaciado. Coitado.
Mas não pára por aí.
Um ego querendo mais.
Afinal, como é que mesmo a história do ser humano, Manu?
Busca - Insatisfação - Inconformidade
Querendo sempre mais.
Então. Acho que posso sair hoje pra dançar. Sorrindo.
Conclusão?
Life is a HUGE metaphor...
E cuidado com o ego. Ismo.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2006

cores e imagens.















Humm... as lentes "de ver tudo feliz" são vermelhas?


quinta-feira, 9 de fevereiro de 2006

comunicação social

Tô fora da sua linha editorial, né!?
Estranho: você é meu público-alvo.
Não é à toa que dá tanto ruído.
Demanda demais de cá?
Não... não é isso.
RP formada que ainda não sabe o teor das mensagens?
Absurdo.
Melhor decodificar tudo aos poucos. Com calma.
(Como se eu soubesse o que é isso.)
Depois, que chege o Estado de São Paulo pra eu ler.
Ou escrever embaixo da coluna de Tostão no EM.
Mas eu sei, não me formei em jornalismo mesmo, detesto física e tenho más recordações sobre meu envolvimento com política.
Será que eu sou burra?
Ou será que melhor mesmo é fazer piada com minha própria cara?
Hahaha... Taí. Acho que acabei de fazer uma.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2006

Some beer later...

todo mundo tem que escutar essa música:

"deixa eu brincar de ser feliz. deixa eu pintar o meu nariz"...

Aí pronto.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2006

da andorinha pra você...

Viver é bom. Vê se te convence disso. Vai trabalhar mesmo muito que é pra ter menos tempo de se lamentar. Vai viver com intensidade. Mas não pule de cabeça se não tiver quem te segure. Ou vai quebrar a cara. E pode ser que aprenda. Mas também pode ser que não. Vai semear bons frutos e sentimentos. Escale mais montanhas. Visite mais cachoeiras. Mas não se esqueça de rezar... Chore baixinho pra aliviar, mas não pense que a saudade passa se você não quiser. E se não tentar. Lembre que beleza não é o que nos mantem vivos, mas que quanto mais vivos formos, mais belos somos também. Não esquece de dar mais atenção aos amigos. Não sofra por motivos tão pequenos. Mas não tente ser quem você não é. Embora ainda é preciso um pouco mais de auto-estima e segurança. Cê é insegura demais. Vai voar um pouco. Viaje mais, até quando estiver em casa. Não ligue a televisão e apague as luzes ao redor. Respire com calma. Ande com calma. Dirija com calma. Preste atenção nos sonhos sim. Procure ser melhor. E se sentir melhor. Não pare de escrever se isso te fizer bem.
Rasgue as besteiras que escrever como desabafo. Sai andando devagar. Entende? Devagar. E pare de tentar achar. Quando for pra ser, se for pra ser - será. Agora sai daí. Cante uma música lenta. Pare de pensar.

criar

Ser Poliana?
A gente tenta.
Dias melhores pra sempre?
A gente sonha.
Um ano de 2006 bem diferente?
A gente quer.
Um amor desses de conto de fadas?
A gente inventa.
Final feliz?
A gente cria.

domingo, 5 de fevereiro de 2006

às vezes...

Pierrô apaixonado/abandonado
Colombina indecisa
Arlequim feliz da vida.
Palhaço trágico à base de passiflorine.
Atriz de pantomima.
Tipo 4.
Elevado à gravidade de ainda ser libriana.
Arte e vida.
Vida ou peça de teatro?
Olhos bem abertos.
Uma lágrima no canto do olho.
Um sorriso de meia boca.
Uma vontade que se sente louca,
e a felicidade misturada à melancolia.
Ah... trágico-romântica.
Melodramática até o fio dos cabelos.
Me descobrindo.
Me expressando.
Vivendo.
Em paz? Em palco...

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2006

em dueto

porque nem é tão fácil viver só.

E cantar, mesmo se for mal pra caramba, tem que ter alguém do lado pra escutar, né?! E mesmo se for pra ficar te falando "Cê canta mal demais!". hahaha...
Mas é...
É assim, vida em dueto faz a gente ter vontade de dançar, de assistir mais peças de teatro, de comprar mais cds pro carro, de brincar de "ninguém pode piscar", ou coisas do tipo.
É pra isso que a gente tem amigos de verdade, certo?! Pra fazer dueto.
As vezes vira tribalistas, é também real, e as vezes até banda.
O que importa é colocar música. Ou fazer música. Ou pensar música.
E aí tudo fica mais "azul". Ou blue.... dependendo de como for.

Lição do dia? A gente acorda melhor quando recebe música em forma de mensagem.

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2006

som

freio
impulso
me leva
buraco
me queira
pescoço
repare
fogo
ultraleve
sonho
vôo
me ame
fome
eu quero
vem
me sacie
ouça
camisa de força
desliga o som
silêncio
nem um pio
enlouqueço
faço
tento
penso
te esqueço.