terça-feira, 31 de janeiro de 2006

Carnaval

"até que o motor pare"

Ah! Pro meu carnaval? Uma mochila de 50L e a serenidade de uma ilha.
Nada de coração pulsando uma paixão louca dessa vez.
Dessa vez não.
Melhor o encontro comigo mesma. A satisfação de simplesmente não precisar de nada mais do que ar puro e aquela praia linda...
Claro, e uma boa amiga prá dividir o visual e uma barra de chocolate.
Vai ver que é isso aí: aprender a conviver com o silêncio e com a solidão.
E saber que mesmo assim está tudo bem.
Afinal, nem todo mundo está amando hoje.
Eu? Hoje amo.

"até que o motor pare".

segunda-feira, 30 de janeiro de 2006

hipertexto

"Pois metade de mim é a amor" (Oswaldo Montenegro)
"E metade quer madrugar na bodeguita" (Chico Buarque)

ha ha ha...

domingo, 29 de janeiro de 2006

Hein!?

Cê tem medo de sapo?
Medo de chuva?
Medo de desacreditar no mundo?
Medo de se sentir burro?
Medo de não conseguir sonhar?
Medo de não saber chegar no seu melhor momento (de novo)?
Medo de decepcionar os outros?
Medo de morrer afogado?

Cê gosta de manga no pé?
De ouvir passarinho cantando?
De ler Clarice Lispector?
De dançar na frente do espelho?
De bater papo-cabeça em final de churrasco?
De falar espanhol, ou inglês, ou italiano quando bebe?
De assistir Chaves?
De loja de conveniência em posto de gasolina?

Cê queria estar dormindo agora? Hein!?


(feliz aniversário, prima minha. Cê faz uma falta danada aqui...)

sexta-feira, 27 de janeiro de 2006

de ontem pra cá...

Fui me deitar abraçada à felicidade.
Acordei antes mesmo de chegar ao segundo sono. (Tem voz que faz bem pra gente...)
Se eu tivesse um cachorrinho, canário ou mesmo um gato pardo, ele se chamaria Tempo.
"Vem cá, Tempo!" Porque sei que o Tempo me faria bem.
E, numa boa... não dá pra assistir Big Brother!

Hoje a cabeça não dói. O estômago não dói.
Saudade? É... essa faz cócegas sempre... hehe...

Tá... mas...

(Junta tudo e muda o acento de lugar.)

terça-feira, 24 de janeiro de 2006

True colors... by the way...



Que é pra gente ter certeza que toda e qualquer caminhada, quando fazemos de coração aberto (e especialmente em boa companhia) é recompensada no final.

Isso se chama vida.

destino

Bênção

"e depois disso tudo, uma guerreira mais forte".
Decisão - coração - bem enorme.
"Vai ser luz."

Medicina

"à toda evolução antecede o caos".
Crescimento.

Cartomancia

período tranqüilo.
União.
Proteção divina.
(e não se esquecer do anjo da guarda)
Alento novo - renascimento.
Fim de um problema.
Força e equilíbrio.

Ficção

Presente do destino.
Acreditar nos fatos. Será?
"- E quando dá errado?
- Aí eu esqueço. "

Pensamento

Fé e vontade de seguir... cantando...

domingo, 22 de janeiro de 2006

oração


"Fim da tarde a terra cora
e a gente chora
porque finda a tarde..."

Amo muito tudo isso

Por incrível que pareça, cada vez mais estou gostando menos de McDonald's. Ufa. (parece que alguns planos resolveram dar certo).

E assim, ingenuamente, alguns sonhos voltam a se formar também. Ô coração bobo, meu Deus!

Toda alegre hoje. Toda andorinha...

sábado, 21 de janeiro de 2006

respeito

... Respeito ...

É quando a gente vê que as pessoas não são iguais a nós, que têm seus próprios valores, sonhos e vontades. E, mesmo assim, a gente compreende e diz: "tudo bem".

É quando a gente guarda algumas "opiniões" pra gente mesmo, sabendo que elas não vão acrescentar em nada e, pelo contrário, podem até ferir.

É quando a gente percebe que o mundo não roda em torno de nós. E que nossa verdade não é única. Pois não é mesmo.

...

Enfim, eu te respeito por você não ser igual a mim. Por não compartilhar das minhas opiniões. E por saber que você pensa e quer diferente pra você. Em troca, peço respeito.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2006

As coisas do alto

Sim. É claro que eu acredito em anjos!
E posso vê-los por aí... graças a Deus!
Na verdade, em sua brincadeira de esconde-esconde, até conseguem se disfarçar...
Já vi anjo disfarçado de senhora... mas os olhos brilhavam forte e me mostravam bem quem estava ali.
Já vi anjo vestido de amigo. Anjo vestido de motorista de taxi.
Anjo de cabelos longos, longos até a cintura! Pra esse eu tive até que perguntar: "Cê é anjo?"
E vivia se escondendo de mim...
Já vi anjo em criança.

Eles aparecem na praia também. De repente. Quando a gente menos imagina, mas certamente precisa. Sentam ao nosso lado, brindam com nosso sprite e vodka, e cantam com a gente as músicas que escolhemos praquele ano novo.

Acredita no amor inventado, na beleza que pode ser vista no que é triste, e até mesmo nessa "vida louca e breve". Anjo que faz companhia e ajuda a encontrar a maçã de Iemanjá. Ah! E lá no pedido, não foi esquecido... é claro!

Anjo que a gente pede pra ter do lado sempre. Da forma como for possível.

Tá vendo? Eu acredito em anjo sim. E mesmo quando não estou a procura deles, consigo encontrá-los e aproveitar a noite.

terça-feira, 17 de janeiro de 2006

lágrimas...

Temos obrigação de saber viver...

domingo, 15 de janeiro de 2006

Domingo...

É porque está nas doces palavras do meu tio,
no abraço apertado da minha "prima-cumade",
no olhar-amizade das minhas irmãs,
na presença dos meus amigos-de-verdade,
na força da minha mãe (Ô mulher!),
no companheirismo do meu pai,
no segredo que eu guardo e não conto - lá lá lá!,
no amor dos meus avós,
no livro do Vinícius,
na mensagem da minha amiga que repete mil vezes que eu canto mal,
nas interpretações erradas que eu faço do orkut - hahaha!,
no amigo de longe que me ajuda a encarar a insônia,
no blog que virou "querido diário",
no sobrinho que fica quietinho e lindo,
nas confusões de uma vida que prega peças,
na lua que meu Deus, tava linda!!!,
no parceiro de dança incansável,
na família eu que eu virei pra Deus e disse, EU QUERO,
no sapinho que eu vou ter coragem de pegar,
nessa vida linda,
nessa noite,
AH!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

sábado, 14 de janeiro de 2006

Bá!

Quando não se espera demais, qualquer pouco é muito...
Quando não se cria expectativas, o que vier é surpresa...

E o contrário é tão real!

De mais a mais, quem não vive de sonhos?

sexta-feira, 13 de janeiro de 2006

Diálogo

A Dri:
- O que há? De triste, agora mostra-se tão serena...

Andorinha:
- Com ou sem Sabiá, quero lançar minha alma no espaço, e quem sabe levantar vôo alto? Talvez pra longe, onde lembranças sejam mais vagas... Quem sabe naquele lugar, onde à tarde, siesta? Mas por favor, nada de touradas! Gracias!

A Dri:
- E o que levará?

Andorinha:
- Certamente a coragem que me faltou até agora. Além da vontade de ser livre.

A Dri:
- E o que deixa?

Andorinha:
- Todo o medo e os problemas inventados... Ha ha ha...

A Dri:
- Então vá. Mas... e quanto a mim?

Andorinha:
- Segue comigo!

...

O que a gente vê, e o que a gente sente

"Ando tão à flor da pele, que qualquer beijo de novela me faz chorar..."

Tirem a televisão de perto de mim, com tantas novelas e filmes de final feliz. Também não me deixem perto de romances, contos de fadas ou coisas do tipo.
Numa boa? Não dá.
Tentando colorir a vida, tentando deixar passar o sentimento. Mas...

Andorinha tão perdida... tão perdida...


...

Boa noite. Acho melhor parar.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2006

A Dri



As vezes ela acorda séria... hahahha...

Sobre a Andorinha

Andorinha...

Prá começar, as vezes ela esquece de terminar as coisas.
Ô Andorinha doida!
Tem dia que acorda sorrindo, pensando otimista sobre tudo. (Geralmente é dia de sol)
Tem dia que acorda com cara de brava, ou meio tristinha, ou simplesmente quieta. É... ela fica quieta.
Sonha? Deixa isso prá depois.
Voa? Alto...
Canta? Mal pra caramba... mas adora!
E por aí vai. Andorinha pra cá, Sabiá pra lá. Ô Andorinha mais doida!
As vezes se perde. As vezes se esconde. As vezes fica sem dormir. As vezes dorme demais.
Sorri? Muito...
Chora? Deixa isso prá depois...
Sente? ô...

Andorinha que gosta de tudo muito.
E que geralmente pula sem capacete. Coragem? Bobagem... é doida mesmo!
E também tem horas que faz cada besteira... Ainda bem! Porque daí ela aprende. Aprende?

Ah! E pensa demais. Pensa demais, essa Andorinha...
Credo!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2006

Sorriso?

Claro! Tem sorriso aqui sim!
Não se preocupe.
A gente vai levando. Vai rindo das besteiras que a gente faz. Vai tocando em frente...
Aliás, aqui não tem só coisa triste não, Marcel! Tem coisa alegre. Sua prima aqui sabe sorrir também.
É que, às vezes, a gente tem que deixar o sentimento aflorar. E daí ele pode sair em forma de lágrimas, ou de palavras-fortes-demais. Mas passa. Porque é pra isso que escrevo.
E depois, logo depois, nasce aquele sorriso que bem gosto de abrir.
Aquele que vem depois da caminhada com minha irmã e amigos, ou ao receber e-mails surpreendentes, ou ler comentários no meu blog que são inesperados. Enfim, tem muito motivo por aí pra fazer sorrir, não é?!
Ontem tinha um sol lindo lá fora. Hoje não... Mas não tem problema! O ventó tá batendo gostoso e isso me faz bem. Também.
Bora cantar alto?
Bora voar...

terça-feira, 10 de janeiro de 2006

É que hoje tá foda. Um monte de coisas na garganta. E eu não tenho uma Ângela pra falar por mim. Ou qualquer outro personagem-alma. Nem uma Clarice, nem um livro, nem uma outra arte ou forma de expressão. É sentimento puro que nem mesmo consigo colocar em palavras. Mas também não dá pra simplesmente parar e fingir que não estou sentindo. Tá muito foda. É o grito preso. A dor sentida com o coração. (ou o cotovelo... hahaha). E bem feito pra mim! Ninguém mandou ser tão EMOÇÃO, ninguém mandou se deixar viver de impulsos. Momentos. Inconsequentemente. Assim se vive melhor? Qualidade? Quem sabe e quem responderia? Não sou de touro e não tenho muita calma. Sou ansiedade. Estou à flor da pele. Quase que o tempo todo. Ou quando não estou: apatia. Credo. Então melhor pensar menos? Talvez, né?! Mas talvez melhor mesmo é parar de inventar problemas, certo T.? Tá. Eu tento. E faço valer a pena cada segundo de sol. E começo a viver a noite. É possível acreditar nisso? "De lá com asas de andorinha, sai voando, sai voando..."
É mudança.
É vontade.
De cá as coisas parecem menos vermelhas agora. Que pena. Bora colocar tudo em contos. Ou ao menos rezar muito. Agradecimentos e pedidos. E sonhos.
A gente volta a sonhar no final das contas?

se...

Se é pra escrever... vambora!

Se é pra chorar... óculos escuros!
Se é pra cantar, que seja alto e sem sentir vergonha!
Se é pra dançar, que seja de olhos fechados.
Se é pra sorrir, :)! Que seja SEMPRE...
Se é pra contar casos, que sejam de pescador. Porque de vida a gente conta em conto. Ou em prosa. Ou em poesia. Ou não conta. E vive só. Vive apenas. Porque só, só se for em boa companhia. Porque boa companhia a gente escolhe. E elas passam e pegam a gente em casa. E levam a gente pra aprender sobre a vida. E sobre mudanças. E que bom!
Se é pra rir, que sejam gargalhadas de doer a barriga.
Se é pra ver filme, que seja algum pra fazer pensar.
Se é pra sentir saudade, que ela traga lembranças do que já foi bom.
Se é pra acabar, FIM.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2006

coisa de bicho...

"E lá vou eu como passarinho
Sem destino nem sensatez
Sem dinheiro nem pra um pastel chinês."

"de lá com asas de andorinha
sai voando, sai voando
vê lá se não quer pousar na minha
para parar de fugir, parar de fugir
pára que fugir tanto...
Vejo o quero-quero cantarolar ali por nós dois
e toda janela se abrirá
pensando em você"

"Uma andorinha só não faz verão
não faz, não
então porque viver na dor da solidão"


Prá terminar...

andorinha quero-quero sabiá

sábado, 7 de janeiro de 2006

...

hoje não dá pra escrever.... simplesmente não dá.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2006

pulsações

"Serei capaz de abandonar nobremente? ou sou daqueles que prosseguem teimosamente esperando que aconteça alguma coisa? (...) Eu não quero apostar corrida comigo mesmo. Um fato. O que é que se torna fato? (...) Devo imaginar uma história ou dou largas à inspiração caótica? Tanta falsa inspiração. E quando vem a verdadeira e não me contento com ela? Será horrível demais querer se aproximar dentro de si mesmo do límpido eu? (...) esquecer-se de si mesmo e no entanto viver tão intensamente."

Um sopro de vida
Clarice Lispector
Minha superstição (acreditem, é assim mesmo que se escreve) não me deixa acreditar em coincidência. Taí. Hoje é mesmo dia de falar de saudade.
Acordei pensando no sentimento de Marília e Dirceu, separados por mar e grades de cadeia, cheguei na música linda dos Los Hermanos, "Veja bem, meu bem", e claro, logo pensei no poeta da paixão...
Chega de saudade... Que nada! Essa faz a gente escrever...
Mas enfim, taí de novo. Ô tema que não fica sem lugar! Ô tema que esquenta... e olha que 2006 vai ser um ano quente, certo Bruxo?

O que eu posso dizer? Já disseram tudo antes de mim... não adianta!

"Amor, veja bem, arranjei alguém chamado saudade." - e percebam, Amor com letra maíuscula, tal qual aquele da cadeia, em seus diálogos de solidão, ao evocar a amada, e sua falta... e a saudade...

quinta-feira, 5 de janeiro de 2006

Café da manhã

Mas sem café. Só o da manhã. Porque café mesmo eu não tomo. Só nas terças e quintas de manhã. Ou ocasionalmente, na parte da tarde, na casa de esquina da Rio Branco. Afinal o cafezinho do Seu Antônio é bem conhecido!
Mas café da manhã eu tomo. Sem o café. Só o da manhã. Afinal pra acordar bem é preciso um leite quentinho com Tody, ou talvez um pingado de café. Mas só um pouquinho! Porque café mesmo, só o da manhã.

Bom, mas agora não é mais hora pro café da manhã... senão, o que será do almoço?

"Bom dia. Coma mais pão." (na embalagem de plástico da padaria)

Bom dia. Olho lá fora... nada de sol da manhã...
Que pena...

quarta-feira, 4 de janeiro de 2006


A Dri... pelos olhos e lentes do Cadu.

sobre o que passou...

"Aqui leio justas queixas
Contra a ventura formadas.
Leio excessos mal aceitos.
Doces promessas quebradas."
- Tomaz Antônio Gonzaga

E de cá pergunto, tanto tempo depois, em um Brasil já livre (livre? política prá depois!), o que devo fazer com as cartas - digo, e-mails - de promessas e declaroções?
Rasgar e rezar pra esquecer?
Mesmo assim não dá.

Agora é torcer pro acaso, pro destino ou pro sei lá o quê.

Bora viver de novo. O novo. E o que tiver que viver...

Como diria minha amiga guria: "Se joga!"

Hoje é quarta-feira.
Hakuna Matata...

terça-feira, 3 de janeiro de 2006

Bem-vindos a minha vida.




03 de janeiro de 2006.

E já é pra começar o ano pensando positivo.
"vida louca, vidaaaaaaaa... vida breve"

Cantando na praia, doces músicas que levam a pensar. Ainda bem. Chega de axé music fazendo todo mundo pular que nem macaco (e de galho em galho). Arg! Que me perdoem os chicleteiros, mas poesia é fundamental!

Cazuza, Vinícius e boa companhia. Ufa !

Hoje cheguei com vontade de aprender malabaris, comer feijão e ouvir Los Hermanos.
Amanhã? Sei lá. Deixa ele chegar.
Hoje eu pratiquei malabaris, comi feijão até falar que chega e ouvi Los Hermanos sentindo saudade.

Conversei com uma amiga querida sobre o que ela me ensina. ( Lição de vida a cada encontro. E acreditem, ela não tem mais de 40...)
E depois troquei risadas e um papo legal com alguém que me disse que eu sou boa em ver coisas bonitas. Meu Deus! E pensei então: Bora fazer jus a isso! Ah...

Mas enfim... Bem-vindos ao meu blog e ao meu coração.

:)

Carpe Noctum!

Anadri...